Pesquise neste blog / Search in this blog

sábado, 16 de fevereiro de 2008

It's a Beautiful Day - 1968 - It's a Beutiful Day


Banda psicodélica de São Francisco, o It's a Beautiful Day era liderado pelo violinista David LaFlamme. Ele começou sua educação musical aos cinco anos, foi solista de orquestra sinfônica e no começo dos anos 60 megulhou na cena underground de Frisco, fazendo jams com Jerry Garcia (Grateful Dead) e Janis Joplin. Em meados de 1967 ele fundou a It's a Beautiful Day, juntamente com a sua mulher Linda nos teclados, a vocalista Pattie Santos, o guitarrista Hal Wagenet, o baixista Mitchell Holman e o baterista Val Fuentes. Foi esse time que realizou este álbum de estréia, auto-intitulado, em 1968. As músicas etéras não deixam de ter um toque progressivo. Destaques para "White bird", "Bombay Calling" e "Time is".
Tracklisting:
1. White Bird (David LaFlamme / Linda LaFlamme)
2. A Hot Summer Day (David LaFlamme / Linda LaFlamme)
3. Wasted Union Blues (David LaFlamme / Linda LaFlamme)
4. Girl With No Eyes (David LaFlamme / Linda LaFlamme)
5. Bombay Calling (David LaFlamme / V Waller)
6. Bulgaria (David LaFlamme)
7. Time Is (David LaFlamme) Musicians
Line-up:
David LaFlamme - violin, vocals
Linda LaFlamme - organ, piano, electric piano, celeste, harpsichord
Hal Wagenet - guitar
Mitchell Holman - bass
Val Fuentes - drums
Pattie Santos - tambourine, bells, block, gourd, vocals
Bruce Steinberg - harmonica (on Hot Summer Day)
PS: Quem estiver com problemas para descompactar a faixa 3, clique aqui.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

[Livro] 1001 discos para ouvir antes de morrer


Este eu comprei na semana passada. "1001 discos para ouvir antes de morrer" é um daqueles livros que você olha e acha que é só um catálogo de discos famosos. Mas basta uma folheada para concluir que ele é muito mais que isso. Noventa jornalistas e críticos de música internacionalmente reconhecidos apresentam uma rica coleção de álbuns incríveis, abrangendo as décadas de 50, 60, 70, 80, 90 e 00. Vai desde as origens do rock and roll, mas passeia também pelo jazz, blues, pop e música popular de alguns países. Estão lá não apenas os álbuns óbvios, pelo contrário, inclui gratas surpresas. A edição é dirigida pelo escritor e editor independente Robert Dimery e tem prefácio de Michael Lydon, editor e co-fundador da Rolling Stone. Cada disco é contextualizado historicamente e há comentários curiosos sobre as gravações, os bastidores ou a vida dos artistas. Vem ilustrado com mais de 900 imagens de álbuns, cantores e bandas.