Pesquise neste blog / Search in this blog

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

The Youngbloods - 1967 - The Youngbloods


The Youngbloods é uma banda estranha. Amada por poucos, não consegue escapar das comparações com a Lovin' Spoonful. Este é o debut dessa banda novaiorquina e vem recheado de melancolia misturada a teclados elétricos, mas nem por isso menos melódicos. As tentativas de fazer blues são um fiasco, mas o restante do material é bom. Destaque para "Get together" (primeiramente gravada pelo Jefferson Airplane) e "All over the world (La-La)". Trata-se de um folk rock razoável, fruto do cérebro do cantor/compositor Jesse Colin Young, com algumas pitadas dos Byrds. Por ter sido produzido por Felix Pappalardi (o mesmo que trabalhou com o Cream), merece uma audição decente.

Tracklisting:
1. Grizzelly Bear Corbitt 2:25
2. All over the World (La-La) Corbitt 3:16
3. Statesboro Blues McTell 2:21
4. Get Together Powers 4:39
5. One Note Man Arnaldi 2:27
6. The Other Side of This Life Neil 2:30
7. Tears Are Falling Young 2:28
8. Four in the Morning Remaily 2:54
9. Foolin' Around (The Waltz) Wien, Young 2:52
10. Ain't That Lovin' You, Baby Reed 2:42
11. C.C. Rider Hurt 2:36

Download

Captain Beefheart and His Magic Band - 1967 - Safe As Milk


Esse discaço traz boas surpresas do início ao fim. O álbum começa com um blues típico do Delta do Mississipi (“Sure ‘Nuff ‘N Yes I Do”) e pula para o rock garageiro psicodélico de "Zig zag wanderer". Passeia também por baladas, como "Call on me" e "I'm so glad". A voz do californiano Don Van Vliet (o próprio Captain) é poderosa, basta ouvir "Electricity". O disco traz ainda colaborações preciosas, como a de Ry Cooder e de Taj Mahal, que tornam a banda do capitão ainda mais mágica.
Apesar de pouco conhecido, "Safe as a Milk" é bastante acessível, pois traz muitas referências do pop, do jazz, do blues e da psicodelia. Este relançamento de 1999 do primeiro disco do Captain Beefheart traz sete bonus tracks.
Tracklisting:
1. Sure 'Nuff 'N Yes I Do
2. Zig Zag Wanderer
3. Call On Me
4. Dropout Boogie
5. I'm Glad
6. Electricity
7. Yellow Brick Road
8. Abba Zaba
9. Plastic Factory
10. Where There's Woman
11. Grown So Ugly
12. Autumn's Child
Bonus tracks
13. Safe As Milk (Take 5)
14. On Tomorrow
15. Big Black Baby Shoes
16. Flower Pot
17. Dirty Blue Gene
18. Trust Us (Take 9)
19. Korn Ring Finger
Formação:
Don Van Vliet: vocais
Ry Cooder: guitarra, baixo (Abba Zaba solo)
Doug Moon: guitarra
Alex Snouffer & St. Clair: guitarra
Jerry Handley: baixo
John French: bateria
Milt Holland: percussão, marimbas
Sam Hoffman: teremim
Taj Mahal: percussão

Download (novo link)

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Daevid Allen e Gong Global Family no Brasil


Daevid Allen é um artista, músico, poeta e performer que entrou em cena no rock em 1966, quando formou o lendário Soft Machine na Inglaterra no auge da Swing London. A banda se apresentava ao lado do Jimi Hendrix Experience e do Pink Floyd, no famoso UFO Club.

Logo após deixar sua marca definitiva no rock psicodélico inglês, Daevid foi para a França onde formou o Gong, um grupo multicultural que muito influenciou toda uma geração de rock espacial com sua psicodelia, dadaísmo e improvisação.
Durante sua época no Gong, Daevid criou a sua mais importante obra: a trilogia “Radio Gnome Invisible”, que conta a história das aventuras de Zero num mítico planeta verde habitado por gnomos, os Pot Head Pixies. Foi em seu período com o Gong que Daevid inventou sua técnica de Glissando Guitar, com a qual extrai um som onírico de sua guitarra,construindo paisagens sonoras psicodélicas.
Ao longo de sua trajetória, Daevid sempre esteve na vanguarda dos acontecimentos, como por exemplo, nos anos 60, quando esteve ao lado dos poetas da geração beat como William Burroughs, em Paris no Maio de 68, ou no final dos anos 70 em Nova York ao lado de bandas emergentes como o Material, do renomado produtor Bill Laswell.
Em 1992 Daevid veio ao Brasil para participar da conferência mundial RIO-92, onde se apresentou ao lado de Fabio Golfetti.
Inventivo e inquieto, Daevid está sempre em busca de novos parceiros para produções artísticas arrojadas. Recentemente aliou forças com os japoneses do Acid Mothers Temple na formação do Acid Mothers Gong, em que devaneios sônicos improvisados se juntam à sua poesia, produzindo uma arte musical que foge de qualquer rótulo.
Em 2006 o Gong foi redescoberto pela mídia inglesa e incensado como uma das mais originais, criativas e influenciais bandas psicodélicas de todos os tempos, tendo figurado numa matéria da respeitada revista britânica MOJO. Ainda em 2006 ocorreu um festival de três dias em Amsterdam onde várias bandas relacionadas e influenciadas pelo Gong desfilaram seus trabalhos, culminando numa reunião da formação clássica do Gong. Esse festival, que lotou a casa de shows Melkweg, teve como público fãs da banda que vieram de vários pontos do planeta para presenciar essa reunião histórica.
Daevid Allen / Gong Global Family é o nome dado para essa reunião no Brasil, 3 projetos no mesmo show, incluindo Fabulous (Daevid & Josh), University of Errors (Daevid + músicos americanos + convidado Fred Barley na bateria) e Invisibops (com músicos brasileiros que já participaram de seus projetos como Glissando Orchestra e Invisible Opera Company of Tibet).
O repertório está baseado no 1o. disco do Soft Machine (Jet Propelled Photographs) e no Gong "era Camembert Electrique".
Daevid Allen traz ao Brasil um pouco da magia e da psicodelia do Gong e Soft Machine, em apresentações imperdíveis e imprevisíveis que ficarão para sempre na memória dos que as presenciarem.
Texto completo (incluindo detalhes dos shows, locais, preços etc) no site Bandas de Garagem.
Comentário: A matéria só tem um defeito - não menciona que o Daevid Allen já fazia um som muito louco em 1963. A gravação é rara, foi feita ao vivo. Quem quiser conferir baixe o álbum clicando aqui.