Pesquise neste blog / Search in this blog

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Serguei


Serguei, nome artístico de Sérgio Augusto Bustamante (Rio de Janeiro, 8 de novembro de 1933), é um cantor de rock brasileiro, notável por seu pansexualismo, e um suposto namoro com a cantora Janis Joplin que conheceu em 1968.
Gravou alguns compactos mas só lançou seu primeiro disco de longa duração aos 57 anos, com covers de bandas como Rolling Stones e Beatles. Desde 1982 vive em Saquarema, Rio de Janeiro, e mantém em sua residência um museu, chamado "Templo do Rock".

Fonte: Wikipedia

Para quem ainda não conhece o som dessa relíquia do rock brasileiro, aí vai um aperitivo:

São cinco músicas compiladas do álbum 60s Brazilian Nuggets Vol. III:
- Eu não volto mais
- As alucinações de Serguei
- Ouriço
- Maria Antonieta sem bolinhos
- Alfa Centauro (com o grupo Orange)

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

Vamoz!

A Vamoz! é uma banda do Recife/PE que faz rock dos bons! Acabaram de lançar o segundo disco, "Damned Rock'n'Roll", que saiu junto com um DVD do pocket show Vamoz! na Montanha (Livraria Cultura) e muitos extras legais. O projeto ficou duca! Lançamento nacional em março. As principais influências da banda são Rolling Stones, Beatles, Wilco, Neil Young, Teenage Fanclub e Dinossaur Jr.

Comunidade no Orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=924967

Mais informações: http://www.vamoz.net

No site dá pra baixar o primeiro disco da banda, "To the Gig on the road", em MP3.

Contatos para shows e compra do disco novo (CD + DVD):
81-9296.9396 - Marcelo Gomão - vocal e guitarra
81-9252.0416 - Henrique Müller - guitarra e voz
81-8803.7963 - Pedro Henrique - bateria

Quem quiser dar uma sacada no som dos caras eles colocaram um vídeo no Youtube, com a música "Target of Rock".
Link: http://www.youtube.com/watch?v=vGjK9-Afay4

Baixe a música "Target of Rock" completa aqui: http://vamoz.net/admin/download/arquivos/20070116003035.mp3

Letra de "Target of Rock":
For some time I was feeling down
Wanted to see you hang around again
I saw my fate through those cold nights
I need the good and old timesA
nd it was you who came around
I was down but I see you around
The rock n' roll saved my soul again

--------

It's rock and roll, baby! Espero que gostem! Se gostarem, divulguem!!!

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

13th Floor Elevators - The Best of... Manicure your mind


Esta é uma coletânea muito especial do 13th Floor Elevators, que está na minha coleção há algum tempo mas só agora tive oportunidade de ripar para o blog.
The Best of 13th Floor Elevators - Manicure your mind foi compilado em 1997 e distribuído nos EUA pelo selo Multimedia, sob licença da gravadora Home Cooking Records. Traz 18 sucessos da banda em versões raras, incluindo alguns versões originais, um verdadeiro colírio para os olhos dos colecionadores. Destaque para "You're gonna' miss me", gravada originalmente em 1965, e para as duas versões de "Roller Coaster".

De quebra, o disco traz um encarte legal com fotos e um texto de A.L. 'Doc' McMurrey sobre a trajetória da banda, além de um texto escrito pelo próprio Roky Erikson em 1975, que mostra um pouco de sua mente genial e atormentada. Segue o texto, em inglês:

"People need to say more about what they're afraid to say, so that things will be how man discovers. That's science, being able to accept that there's something beyond, that there are beings on other worlds that are our friends, that are maybe 30.000 years ahead of us intellectually because they've been born... Maybe we're all aliens: maybe they came down here and colonized and lived on Earth for a giant thing, and then they had to split and they left everybody living here: and that we had to look like cave-man because man we were living with dinosaurs and things. You had to be rough and tough to exist in the enviroment, so maybe cave-man were smarter than you think of them, because they said 'Hey, I'm gonna' have to be here, so I'll form my body in this way. 'Maybe we're all aliens."

Em tempo: a pedidos, estou re-upando o clássico "The Psychedelic Sounds of", postado em setembro de 2006, pois havia sido deletado do Rapidshare. Aguardem!

Tracklisting:
1. Tried to Hide (Hall, Sutherland) 2:50
2. Thru the Rhythm (Hall, Sutherland) 3:10
3. Don't Fall Down (Erickson, Hall) 3:00
4. You Don't Know (How Young You Are) (Saint John) 2:56
5. Roller Coaster (Erickson, Hall) 5:04
6. Fire Engine (Erickson, Hall, Sutherland) 3:18
7. Fire in My Bones (Erickson) 2:04
8. Monkey Island (Saint John) 2:45
9. Dust (Erickson, Hall) 3:57
10. Splash 1 (Erickson, Hall) 4:21
11. Kingdom of Heaven (Saint John) 3:32
12. You're Gonna Miss Me (Erickson) 3:42
13. She Lives (In a Time of Her Own) (Erickson, Hall) 3:22
14. Reverberation (Erickson, Hall, Sutherland) 3:03
15. Levitation Blues (Hall, Sutherland) 3:11
16. Levitation Blues [Alternate Version] (Hall, Sutherland) 4:11
17. Roller Coaster (Erickson, Hall) 3:44
18. Stand for the Fire Demon (Erickson) 6:23

Formação da banda:
Roky Erikson - lead vocais
Stacy Sutherland - guitarra
Tommy Hall - eletric jug
John Ike Walton - bateria
Benny Thurman - baixo

Download

Peter Jenner, ex-empresário do Pink Floyd de Syd Barrett


O inglês Peter Jenner, ex-empresário do Pink Floyd na época de Syd Barrett, esteve no Recife agora em fevereiro participando da Feira Música Brasil. Ele ministrou duas palestras abordando os temas "Capitalizando a anarquia" e "Música mundial e música digital: navegando em um mercado de mudanças". Em entrevista ao jornalista Júlio Cavani, do Diario de Pernambuco,
ele fala sobre o mercado de música digital e o download de músicas gratuitas na Web. Tem idéias legais esse cara, infelizmente o conteúdo da matéria só está disponível para assinantes. Quem tiver interesse em ler todo o material favor enviar mensagem para minie1967@gmail.com que eu mando por e-mail.
Ah, Jenner também foi produtor do The Clash e outros artistas e atualmente é secretário-geral do International Music Managers Forum. A seguir, um dos trechos da entrevista concedida ao Diario de Pernambuco, onde ele fala dos tempos da gravação do primeiro disco do Floyd, há 40 anos. Na foto, Jenner aparece engravatado ao lado do gênio Syd.

"Eu fui o primeiro empresário do Pink Floyd e eles foram a primeira banda com quem eu trabalhei. Eu estava sempre com eles, em todos os shows, nos ensaios# era como um integrante da banda, um amigo bem próximo. As apresentações nessa época eram em lugares bem pequenos. Uma vez, tive que fazer as luzes do palco eu mesmo, usando lâmpadas caseiras, algo bem improvisado, e os músicos tinha que ficar bem perto delas. Foi na época do primeiro disco, quando eles ainda eram totalmente desconhecidos e logo depois se tornaram famosos no mundo todo. É lógico quetomava-se muitas drogas, muita maconha, muito ácido, mas a maioria do grupo não gostava tanto. Syd Barrett era quem gostava mais de ácido e ele realmente era o gênio da banda. Ele morreu no ano passado, mas já não convivíamos mais. Ele queira distância do mundo da música e eu respeitava essa sua vontade."

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Tim Buckley - 1967 - Goodbye And Hello

Quando o cantor, compositor e violonista, Tim Buckley (1947/1975) gravou seu segundo disco, "Goodbye And Hello", tinha 20 anos e fez um de seus melhores trabalhos (pra muita gente, o melhor), clássico absoluto do folk psicodélico. Além do excelente repertório, a ótima voz de Buckley é um caso à parte, com uma versatilidade capaz de passar dos tons mais graves aos agudos mais intensos (sem usar falsete) com toda a naturalidade e perfeição.
Tremendo discaço!



01-No Man Can Find The War
02-Carnival Song
03-Pleasant Street
04-Hallucinations
05-I Never Asked To Be Your Mountain
06-Once I Was
07-Phantasmagoria In Two
08-Knight-Errant
09-Goodbye And Hello
10-MorningGlory

Download

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

O mistério dos 27

Por coincidência ou não, diversos músicos deixam de viver aos 27 anos, a idade das mudanças para a numerologia

Por Humberto Baraldi

Divulgação

Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison morreram aos 27 anos

Jovens, músicos, famosos, ricos e com um detalhe comum em suas vidas: todos morreram aos 27 anos. Mera coincidência ou idade da loucura? O que afinal levou à morte de artistas como Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison? A ciência não tem resposta, mas para a numerologia, o número "27" significa a transição de mais um estágio. "Ele marca uma passagem em nossas vidas, o amadurecimento da alma. Nesta época é comum o casamento, as mudanças profissionais e para alguns até a morte física", considera a numeróloga Aparecida Liberato. A especialista revela ainda que a cada nove anos, os indivíduos começam um novo ciclo. "Ter 27 quer dizer que a pessoa está entrando em um terceiro período e o número "3" está relacionado com o divino, ou seja, o encontro com Deus", alerta. Verdade ou não, o Guia da Semana levantou "nove" nomes da música que não passaram da tal idade. É de arrepiar!


O primeiríssimo da lista macabra é Frederick Heath, mais conhecido como Johnny Kidd (ao lado). O cara foi um dos pioneiros do rock inglês e morreu em um acidente de carro (em 1966) aos, nada mais nada menos, 27 anos de idade. Junto estava seu baixista, Nick Sampler, que sofreu várias escoriações, ficando alguns dias hospitalizado. Famoso por ter gravado Shakin´ All Over e Please Don´t Touch, o falecido foi vocalista da banda Johnny Kidd & the Pirates.


Três anos após o acidente de Kidd, Brian Jones (ao lado), 27 anos na época, foi encontrado morto, boiando na piscina de sua casa. Apesar da fama e fortuna conquistadas com o sucesso da banda Rolling Stones, o músico se entregou às drogas e saiu do grupo em junho de 1969. Menos de um mês depois, partiu "dessa para uma melhor".

Outro a morrer na flor da idade foi Alan "Blind Owl" Wilson (ao lado). Líder, vocalista e principal compositor da banda de blues Canned Heat, o artista nasceu em Boston e morreu em Topanga Canyon, Califórnia. O motivo? Overdose causada por drogas. A morte do jovem ainda é tema de controvérsia, pois os resultados da necrópsia foram inconclusivos e o falecido não deixou suspeitas ou bilhete de suicídio.

Um dos casos mais famosos de falecimento aos 27 anos é o de Jimi Hendrix. Em 1970, o guitarrista morreu sufocado em seu próprio vômito. Alguns dizem que a causa teria sido overdose, outros acreditam que ele havia tomado comprimidos para dormir. Na música, Hendrix se inspirou nas inovações de ícones do blues, tais como B. B. King e T-Bone Walker.

Considerada a maior cantora de blues branca da história, Janis Joplin também deixou de viver aos 27. No auge da carreira, a intérprete teve uma overdose de heroína, no Landmark Hotel em Los Angeles. Ela foi cremada e suas cinzas jogadas na costa do Pacífico, na Califórnia. O disco Pearl, que ela deixou gravado, foi lançado após sua morte.

Na lista aparece ainda Jim Morrison (acima), vocalista do The Doors. O cantor foi encontrado morto na banheira de seu apartamento em Paris. Segundo relatos, Morrison acordou na madrugada com excesso de tosse e dores no peito. Na manhã seguinte, sua namorada se deparou com ele estirado no banheiro (em 1971). Os exames apontaram um ataque cardíaco. Sempre houve a desconfiança de overdose.

O excesso de drogas tirou também a vida de Gary Thain, ex-integrante do Uriah Heep. Embora muitos acreditem que ele tenha morrido devido a um choque que levou num show em setembro de 1975, na realidade, a causa da morte foi uma overdose de heroína aos 27 anos. Pasmem!

O cantor, compositor e guitarrista Chris Bell (ao lado) é outro que não escapou. Líder da banda de power pop Big Star, o músico sofreu um acidente de carro em 1978, ano em que completou 27 primaveras.

O nono da relação é o líder da banda Nirvana, Kurt Cobain. O rapaz suicidou-se no ápice da fama com um tiro de espingarda na cabeça. O corpo foi encontrado por um eletricista que arrombou a janela do músico, após desconfiar que havia algo errado. Ao lado do cadáver foi encontrada uma carta, escrita com tinta vermelha, endereçada para a mulher e a para filha. A grande quantidade de heroína que havia em cima do corpo do jovem leva um grupo a supor que Kurt foi assassinado, pois, para eles, não é possível alguém tão dopado colocar uma arma na cabeça e puxar o gatilho. Vai saber... Essas nove incríveis coincidências entre fama, dinheiro e 27 anos de idade são verdadeiros mistérios do mundo das celebridades.
* Retirado de:

The New Hobbits - 1969 - Back fom Middle Earth

New Hobbits faz um sunshine pop de primeira. Destaque para os vocais de Jimmy Curtiss, cantor e compositor novaiorquino. Curtiss surgiu na cena musical em 1959 como membro de uma banda chamada The Enjays. Em 1961, lançou-se em carreira-solo e depois sumiu do mapa, retornando somente em 1965 com uma banda chamada The Regents. Nova parada para voltar em 1967, quando assinou com a Decca e passou a colaborar com um grupo de estúdio, The Hobbits. Assumindo a influência do livro de J.R.R. Tolkien, rebatizaram a banda de New Hobbits e lançaram este único LP, "Back from Middle Earth", em 1969. Depois disso todos debandaram e Curtiss, o único remanescente, ainda chegou a gravar um segundo LP, "Men and doors: The Hobbits communicate". Como o anterior, este também não vendeu e a Decca cancelou o contrato. O paradeiro atual de Curtiss não é conhecido.

Tracklisting:
1. You Could Have Made It Easy (Kanyon) 3:09
2. Grown Old (Mahoney) 2:53
3. I Could Hear the Grass Growin' (Brassard) 2:49
4. Comin Out (Philips) 2:14
5. The Devils Gonna Get Me (Pollock) 2:07
6. Underground (Brassard) 2:35
7. Love Can Set You Free (Curtiss) 2:59
8. Flora (Savino) 2:50
9. Woman So Worried (Savino) 2:05

Uma contribuição do amigo Tauan.

Download

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

De volta

Após um longo e tenebroso inverno, eis que estou de volta! Peço desculpas pela falta de atualização. Desculpas especiais àqueles que postaram comentários que ficaram presos na moderação. Agora estão todos publicados (exceto aqueles ofensivos, de gente que não tem o que fazer e fica xingando quem está a fim de compartilhar o bom e velho rock psicodélico).

Já estamos pensando em um post em grande estilo. Aguardem!

Janis Joplin em Copacabana



A revista Trip # 81 traz uma matéria bem interessante sobre os loucos dias em que Janis Joplin esteve no Rio de Janeiro, no verão de 1970. Muitas fotos inéditas.







Aí vai um aperitivo:


"Ela foi eleita o garoto mais feio do colégio. Desde mocinha, enfiava o pé na jaca com convicção: uísque, maconha, anfetaminas, ácido, tabaco, vodca, cocaína, metadona, heroína e biscoito com marmelada (como você vai descobrir logo adiante). O único namorado fixo que teve morreu no Vietnã. Ela arrancava as roupas no palco e costumava reclamar que, depois de "fazer amor" com mil pessoas num show, voltava para seu quarto e dormia sozinha.

Quando veio passar o Carnaval no Rio de Janeiro, para espantar o blues e dar um tempo na heroína (que, na época, não existia por aqui), Janis Joplin estava prestes a lançar sua obra máxima - Pearl, disco lançado postumamente em 1971. Ela morreria oito meses depois de sua passagem pelo Rio, aos 27 anos - mesma idade em que Jim Morrison, Jimi Hendrix e Brian Jones também se despediram da Terra. "


Amém!